Conversa de Fagotista

entrevistas com fagotistas no Brasil e no exterior

 

 

Alexandre Silvério fala sobre assuntos relacionados ao seu CD chamado "Entre mundos", quarteto de fagotes da OSESP, inicio dos estudos no jazz, arranjo e composição; fraseado e dificuldades no fagote e muito mais  >>>>> leia a entrevista

entrevista concedida em novembro de 2016 a RODRIGO CHENTA, do portal www.informacaomusical.com

   
Encontramos crianças, jovens e adultos que ao verem um fagote pela primeira vez, mostravam um brilho no olhar e um sorriso de felicidade, de interesse, de curiosidade> > > > > leia mais

entrevista feita em outubro de 2014

   
Uma escala precisa ser tocada com amor... veja o que mais falou Klaus Thunemann

entrevista publicada na revista 'rohrblatt

   
É emocionante estar na orquestra e se sentir no centro daquela massa sonora percebendo as nuances da orquestração e do colorido orquestral, ouvindo os naipes funcionando em harmonia, beleza e diferença, sentir a música penetrando na alma, envolvendo seu corpo, significando sua ação. Gosto de me envolver com a música...>>> leia o que CLAUDIA SALES falou ao portal do fagote

entrevista/depoimento concedida em outubro/novembro de 2009

 
O fagote é um instrumento que quando você começa a aprender parece até um pouco fácil, mas depois que você vai se aprofundando é que descobre a enrascada em que se meteu! tocar pianíssimo e' sempre difícil, tocar forte de verdade também é! A técnica é complicada, alem das palhetas... veja o que mais falou Alexandre Silvério >>>

entrevista concedida em fevereiro de 2009

   
Navegando na internet o portal do fagote encontrou uma intrigante matéria, sob o título "Piano não dá, mas tem fagote"; e assim descobriu que em terras européias, mais precisamente na Suiça, atua um fagotista brasileiro de Londrina (PR). Assim conheceu Rogério Gonçalves >>>
   
Aloysio Fagerlande freqüentava regularmente a loja de partituras de Oscar Arany, velho amigo da família, para conversas, sobretudo sobre música. “Seu Oscar”, como carinhosamente era chamado, contava as histórias do meio musical, e já vinha há algum tempo dizendo que Aloysio deveria tocar um instrumento de orquestra, e que o via tocando fagote... >>>

entrevista feita em março de 2008

   
Mário Câncio (1927-2008), fagotista e maestro, in memoriam... >>>
   
Afonso Venturieri, natural de Belém, atualmente fagotista da Orchestre de la Suisse Romande, conta entre outras coisas porque escolheu o fagote como profissão, como chegou ele, que instrumentos já usou... >>>

entrevista feita em novembro de 2007

   
"O fagote nosso de cada dia" é o tema desta roda de conversa entre fagotistas que se dispuseram a falar um pouco de sua experiência com seu fagote... >>>

depoimentos colhidos entre julho e outubro de 2007

   
Benjamin Coelho, de tradicional família de músicos da cidade de Tatuí (SP), mora atualmente nos Estados Unidos, onde leciona na Universidade de IOWA. "A faculdade deveria ser a continuação dos conservatórios que temos no Brasil, acaba não acontecendo porque os professores dão poucas aulas e tem poucos alunos..." >>>

entrevista feita por GUSTAVO KOBERSTEIN em junho de 2007

   
Ricardo Rapoport já não toca mais em nenhuma orquestra fixa, mas participa de várias orquestras européias, sobretudo explorando as músicas barroca e contemporânea. É professor titular... >>>

entrevista feita em maio de 2007

   

Antonio Carlos Garcia obteve o diploma de bacharelado em fagote na Unicamp, sob a orientação de Paulo Justi. Por sua atuação junto à Congregação Cristã no Brasil e por sua formação acadêmica Antonio Carlos Garcia é o fagotista indicado para esclarecer a quem não participa da CCB, a importância da atividade musical ali exercida...>>>

entrevista feita em março de 2007

   
Músico, artesão, fabricante de cachaça (da boa) de fundo do quintal, entre outras coisas, este é Hary Schweizer, que apesar do nome alemão, é bem brasileiro. Entre as muitas paixões que cultiva está a fabricação de fagotes... >>>

entrevista feita por REGINA LOPES, para o "Música em Brasília", edição 13, julho/agosto/2005

   
Noel Devos é sem dúvida o mais importante e prestigiado instrumentista em atividade no país. Conquistou o segundo prêmio do Concurso Internacional de Genebra e foi homenageado na Semana Villa-Lobos pelos 40 anos dedicados à música brasileira. Recebeu ainda o prêmio de “melhor intérprete” de Villa-Lobos ao executar a Ciranda das Sete Notas...  >>>

entrevista feita por ARIANE PETRI em setembro de 2006

   
Adolfo Almeida Jr. é primeiro fagotista na OSPA (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre) e na UCS (Universidade de Caxias do Sul). É também professor no Conservatório Musical Pablo Komlos da OSPA. Seu fagote é também um assíduo intérprete de música popular, como por ex., com sua participação no grupo "Arthur de Faria e Seu Conjunto" com apresentações em Viena... >>>

entrevista feita em agosto de 2006

   
Paulo Justi em seu mestrado abordou um pouco da história do fagote, da vida de Mignone e suas valsas para fagote solo. Sua tese de doutorado é no campo da filosofia, onde enfoca a possibilidade de se falar em música bonita ou feia, se gosto se discute e temas afins... Esteve à frente na organização do III Encontro Brasileiro de Oboés e Fagotes, realizado em Campinas entre 15 e 17 de junho de 2006... >>>

entrevista feita em julho de 2006

   
Francisco de Assis Alves Formiga é fagotista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP). Atua com muita satisfação em conjuntos de música de câmara ocasionais (trio,quinteto) à medida que seus compromissos profissionais junto à orquestra o permitem. É grande pesquisador do mundo das palhetas, terreno em que desafia todo e qualquer fagotista... >>>

entrevista feita em maio de 2006

   
Elione Alves de Medeiros é natural de Recife, onde começou seus estudos na escola de Belas Artes com Mário Câncio. Depois em Brasília, teve aulas com o professor Helman Jung. Já aluno da UnB (Universidade de Brasília) teve a orientação de Hary Schweizer. Foi membro fundador da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional. Em 1979 ingressou... >>>

entrevista feita em abril de 2006

   
Cristina Porto Costa  é mestre em Psicologia Social e do Trabalho pela Universidade de Brasília (UnB), fagotista e professora do CEP/Escola de Música de Brasília, onde desenvolve o módulo Ergonomia Aplicada às Práticas Musicais para músicos em formação. Tem artigos e relatos de pesquisa publicados pela... >>>

entrevista feita em março de 2006

   

página inicial